6 leis da sobrevivência

Data: 7 Fevereiro, 2017

Categoria: Sobrevivência

Desde que sou criança sou apaixonado pelo mundo das aventuras, o primeiro livro que lembro de ter devorado na vida foi o 100 dias entre céu e mar do grande navegador Amyr Klink.

Ao longo dos últimos 20 anos acampando eu li centenas de manuais de sobrevivência militares e civis e percebi um padrão que pode ser chamado de 6 leis da sobrevivência.

Nada mais que um compilado das regras que irão prolongar sua vida em caso de uma emergência no mar ou em terra.


1. Água é sua prioridade

Não somente água, o fundamental é ser água potável. No mar tem muita água, se você não souber usar, ela só servirá para te matar mais rápido.

Quando você sente sede quer dizer que seu corpo já está desidratado, faça da obtenção de água sua prioridade número 1.

Felizmente podemos prevenir situações de risco carregando conosco destiladores nos barcos ou filtros manuais na montanha ou deserto.

Não deixe o volume e o peso da água influenciarem no planejamento da sua aventura. Se for para o mar, tenha certeza que você tem ao mínimo 2 semanas de água potável disponível para emergências.


2. Tenha um abrigo seguro

Não importa se está em terra ou no mar, você precisa proteger o seu corpo dos perigos oriundos de estar na natureza. Frio, excesso de sol, insetos, tempestades e outra infinidade de coisas podem te fazer mal em uma situação de sobrevivência.

Planeje com antecedência qual a melhor maneira de se proteger em uma emergência. Está nas montanhas? Construa muros de pedras para quebrar o vento e te proteger. Está na selva? Galhos e folhas fazem um belo abrigo, com casca de eucalipto você pode fazer cordas para deixar tudo mais firme.

No barco é a mesma coisa, você precisa se proteger do sol intenso, da chuva, de raios e não só isso, proteger suas provisões da ação do tempo.


3. Obtenha alimentos

Já ouviu dizer que “Saco vazio não pára em pé” ? É bem essa a verdade, querer sobreviver a uma emergência sem se alimentar é pedir para fracassar.

Dependendo do local, pode existir uma fartura ou uma falta de alimentos disponíveis. Planeje sempre levar uma ração de emergência para alguns dias, além de equipamentos específicos para a região onde vai se aventurar. Se está no mar, leve equipamento de pesca. Na selva saiba construir pelo menos uma boa armadilha e acostume-se com a ideia de comer.

Fonte: frugallysustainable

 

4. Conheça seu corpo

Você precisa conhecer o seu corpo muito bem, identificar o que pode dar errado com ele e se preparar para isso. Se você não é muito forte do estômago, que tal levar alguns remédios específicos para isso?

Se costuma viajar em grupo, tente aprender a fazer massagem cardíaca e manusear corretamente um torniquete. Simples capacidades que podem salvar a vida de um amigo.

Nunca deixe os pequenos ferimentos sem cuidado. Você já está em uma situação onde não tem água e alimentos suficientes para manter o corpo cheio de imunidade. Deixar ferimentos sem tratar é um grande risco para a saúde.

5. Use suas habilidades manuais

Na natureza o humano se destacou pela capacidade de construir ferramentas. Sobreviver é utilizar o que você tem disponível para prolongar sua vida por mais tempo possível.

Sabe construir um abrigo? Já pensou em métodos mais fáceis de adquirir fogo? Faça perguntas como essa e pesquise sobre como construir você mesmo.

Quanto mais ferramentas você souber construir, melhor serão suas chances de sobreviver.

6. Esteja preparado para o pior cenário

Você partir para uma aventura sem se preparar, achando que vai dar tudo certo, só contando com a sorte e os bons ventos. A chance de você se dar mal é grande.

Faça igual a NASA, sempre prepare-se para o pior, pense em cada detalhe que pode dar errado e esteja preparado para isso.

Tem uma passagem do livro 100 dias entre céu e mar do Amyr Klink que cita o projeto onde eles queriam um barco que não capotasse e isso quase inviabilizou o projeto. Um dia um engenheiro bem inteligente e maluco disse que eles estavam fazendo errado, que o certo seria um barco que capotasse da África até o Brasil e que cada vez que ele não capotasse estaria no lucro.

O aventureiro Amyr Klink sabia que o pior cenário possível era o barco capotar, o engenheiro José Carlos Furia sabia que era impossível não capotar com um barco tão pequeno. A solução foi construir um barco que capotava, mas tinha a capacidade de voltar a posição certa sem colocar o navegador em risco.

Avalie o cenário e prepare-se. A sua chance de voltar para casa é bem alta, aproveite com segurança!

0 comentários

Compartilhe!
Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no Google+ Compartilhar no LinkedIn Enviar por email
Palavras:

Você vai gostar de ler:

Quanto custa morar em um barco

Como morar em um trailer

Itália e Croácia – Trechos de trem, ônibus e muitas dicas

Guloseimas para comer na fogueira

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*