A volta ao mundo – vacinas e cuidados com a saúde

Data: 18 novembro, 2015

Categoria: Aventuras

saude_trip
Além daqueles perrenguinhos femininos que comentei no post sobre os dilemas de uma mochileira e que demandam alguns cuidados extras, é essencial levar muito a sério o item Saúde e encará-lo como um dos mais importantes durante o processo de organização de uma viagem de qualquer porte, principalmente em uma volta ao mundo em que ficamos muitos meses longe de casa e em ambientes totalmente diferentes daqueles que o organismo está habituado.

Informação é vida!

Por isso, durante as pesquisas a respeito dos países que você pretende viajar, não deixe de investir especial atenção às informações sobre vacinas, principais doenças da região, macetes e cuidados extras com a higiene e saúde. Em posse dessas informações e dicas, você conseguirá se preparar melhor e evitar dores de cabeça (de estômago, piriris) pelo caminho!

Seguro Viagem

O seguro viagem é outro item que, além de ser obrigatório para entrar em muitos países, o deixará mais tranquilo durante o trajeto, pois você estará coberto para ser atendido em hospitais por todos os países por onde passar. É claro que a torcida é não precisar usar em nenhum momento, mas se for necessário, basta ligar na Central de Atendimento do plano contratado, para que os atendentes passem a localização do hospital mais próximo onde você pode ser atendido.

Tive que acionar o seguro viagem durante uma visita a Orlando e correu tudo super bem!

A contratação pode ser feita por meio do site de algumas seguradoras ou por agências de viagem. Faça a opção que te deixar mais confiante.

Vacinas

Para entrar em diversos países da Ásia, é obrigatório não só tomar a vacina de Febre Amarela, como apresentar o Certificado Internacional de Vacinação. E é muito simples de agilizar esse item!

Como o Will já possui a vacina (que vale por 10 anos) e o Certificado devido à viagem que fez para a Bolívia, apenas eu estava com essa pendência que decidi resolver ontem e já tirar da fila.

vacina_febreamarela

É essencial lembrar que a vacina precisa ser tomada com, no mínimo, 10 dias de antecedência à viagem para ter validade. E você tem, basicamente, que percorrer 3 passos para ter sua vacina e certificado:

1- Faça o pré-cadastro no site da Anvisa: alguns hospitais e postos de saúde possuem um computador disponível para quem não realizou o cadastro, porém é muito mais fácil já chegar com esse item resolvido e você levará menos que 5 minutos para fazê-lo. Acesse esse link, clique em Cadastrar Novo e crie sua conta;

2- Encontre o posto de vacinação mais perto: a vacina de febre amarela está disponível no serviço público e, por isso, você pode tomá-la gratuitamente em diversos postos de saúde. A emissão do Certificado Internacional, porém, não é realizada nos postos e hospitais comuns, mas sim em alguns locais específicos e postos da Anvisa. Assim, você pode tomar a vacina em qualquer posto e comparecer, com o certificado nacional de vacinação, aos locais que emitem o Certificado para emissão do Internacional; ou você pode escolher um lugar que já ofereça a vacina e realize a emissão do Certificado.

Nesse link  da Anvisa você tem acesso à lista completa de locais que dão a vacina e dos que emitem o Certificado. E caso não haja postos que emitem o Certificado Internacional em sua cidade, guarde o certificado nacional e compareça a um posto da Anvisa o mais rápido possível para trocar o certificado (o aeroporto internacional de São Paulo é uma boa alternativa para quem fará conexão de vôos antes de partir para o exterior).

3 – Vá lá e tome a vacina! Eu optei por encontrar um lugar em que recebesse a vacina e já tirasse o Certificado e, assim, fui ao Hospital Emílio Ribas, localizado a 5 minutos a pé da Estação Clínicas do metrô de São Paulo e em menos de 30 minutos estava vacinada e com meu documento em mãos!

Basta pedir informações na entrada do hospital e, no setor correto, pegar uma senha, preencher os dados solicitados em um caderno que fica no balcão, conversar com o profissional que aplicará a vacina, apresentar o RG, CPF ou CNH para emissão do Certificado e pronto!

Cuidados especiais

Já que eu estava em um importante Centro de Orientação para Saúde do Viajante, aproveitei para tirar algumas dúvidas com o Médico do Viajante (achei o máximo e não sabia que existia esse foco de atuação!).

É necessário marcar consulta e ela é gratuita no Emílio Ribas, porém consegui ter um bate papo rápido com o médico entre uma consulta e outra, mesmo sem agendar (eu recomendo o agendamento para não dar com a cara na porta…. pois tive sorte!). Assim, ele me passou dicas muito valiosas que compartilho com vocês!

Frio da Europa: Em nosso roteiro, passaremos 3 meses na Europa em um período que ainda é bem frio. Por isso, a dica é comprar as roupas adequadas (e nós faremos um post específico para falar desse assunto) e se manter muito hidratado por dentro e por fora (cremes hidratantes, protetor labial e muita água). Se a gripe te pegar e os sintomas forem fracos, tenha em mãos sua farmacinha e o anti-gripal que está acostumado. Caso os sintomas apertem muito, acione o Seguro Viagem!

Malária na Ásia: Não há vacinas contra a malária e o jeito é se prevenir! Nas cidades mais urbanizadas da Ásia não é preciso se preocupar muito, porém em regiões agrícolas, matas e praias (principalmente Mongólia, Laos, Vietnã e Tailândia), é preciso redobrar os cuidados com mosquitos. A solução é comprar roupas compridas apropriadas para o calor (tipo as roupas de andar no deserto) e um repelente bem potente.

O médico me indicou esse, da foto abaixo, falou para eu comprar o frasco de cor preta e aplicar não só no corpo, mas nas roupas que usarei.

repelente_malaria

E, mesmo com os cuidados certos, caso você esteja em região que há risco de malária e comece a ter febres e muito mal estar, acione o seu Seguro Viagem e se cuide! 😉

Intoxicações devido à falta de saneamento: Também é um problema recorrente em países da Ásia e todos os blogs de mochileiros alertam aos berros: “Não tome água que não seja mineral! Não coma alimentos crus!”. Para evitar diarreias e vômitos, nada de água que não seja de garrafinhas lacradas e alimentos só bem cozidos, fritos, assados ou industrializados.

Com planejamento e informação, suas chances de passar aperto caem bastante, mas se o imprevisto aparecer, fique firme para combatê-lo e seguir com seu sonho!

0 comentários

Compartilhe!
Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no Google+ Compartilhar no LinkedIn Enviar por email
Palavras:

Você vai gostar de ler:

Itália e Croácia – Trechos de trem, ônibus e muitas dicas

Como morar em um trailer

Quanto custa morar em um barco

Guloseimas para comer na fogueira

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*