Barcos que fizeram história

Data: 25 abril, 2017

Categoria: Barcos

Sempre que pensamos em uma grande descoberta ou jornada, é o nome do aventureiro que lembramos em primeiro lugar, mas e os barcos? Descubra a história de 8 barcos valentes que garantiram seu lugar na história das grandes aventuras.

1. IAT – Travessia do Atlântico Sul


Esse barco foi uma grande inspiração na minha vida, me fez ficar apaixonado por histórias de grandes aventuras e me mostrou o caminho dos barcos pequenos e sem grandes complicações.

Com o IAT, o navegador Amyr Klink atravessou o Atlântico sul remando. Um barquinho de 5,94 metros, valente e projetado especificamente para essa aventura.

2. James Caird – Travessia Ilhas elephant até Geórgia do sul


Esse valente barco de 6,9 metros foi responsável por uma das travessias mais perigosas já feitas pelo homem. Shackleton e outros 5 aventureiros partiram em uma jornada de 800 milhas náuticas ( 1500 KM ) pelos piores mares do mundo em busca de resgate.

O barco, na verdade um baleeiro, foi modificado pelo carpinteiro Harry McNish usando ferramentas e materiais improvisados para se tornar um pouco mais marinheiro. Hoje o James Caird encontra-se na escola onde Shackleton estudou e com um pouquinho de trabalho burocrático, você pode ir lá visitá-lo.

3. Nau Santa Maria – Descobrimento português da América


Uma Nau de 17,7 metros com um deck único, 6 âncoras, 40 tripulantes e 3 pequenas velas. Esse era o navio do capitão Cristóvão Colombo, o principal dos 3 navios que encontraram as Américas.

Após ficar 2 dias sem dormir, o capitão Cristóvão Colombo decidiu tirar uma soneca e deixou o imediato no comando que também decidiu ir dormir um pouco e deixou o comando nas mãos de um aprendiz que acabou deixando o navio encalhar em um banco de areia. O navio foi desmontado e com a madeira a tripulação construiu um forte chamado La navidad.

4. Fram – Primeira expedição a atingir o Polo Sul

Esse é um dos poucos casos onde o barco recebe seu reconhecimento e só poderia vir dos povos nórdicos e da sua longa tradição marítima. Essa escuna de 38,9 metros participou de várias expedições, sendo a mais famosa a Expedição ao polo sul feita por Roald Amundsen.

Diversos pontos no planeta e até fora dele já foram batizados de Fram em homenagem a esse magnífico barco. Ele encontra-se preservado em Oslo em um museu chamado Fram museum ( mais uma homenagem ).

5. Spray – Primeira volta ao mundo em solitário


A travessia de volta ao mundo feita por Joshua Slocum é bem conhecida por nós amantes da aventura e o seu barco Spray não passa despercebido. O veleiro de 11,20 metros passou por grandes aventuras na mão do seu dono.

Um dos pontos mais inesquecíveis do Spray é o sistema de piloto automático construído com cordas, prática dos velhos marinheiros com quem Slocum tinha convivência. Lembre-se que estamos falando de meados de 1900, onde a informação, mapas e tecnologias na navegação eram precárias.

Joshua Slocum relatou ter passado mais de 23 dias seguindo contra o vento sem precisar mexer no leme, só confiando no seu sistema de amarras.

6. Kon tiki – Travessia em uma balsa da América do Sul até a Polinésia Francesa


Essa foi uma aventura de 6.900 KM pelo Pacífico, feita em uma balsa de 14 metros construída com troncos de madeira e amarrada com cordas feitas de cânhamo.

A ideia por trás da aventura era provar que a polinésia foi descoberta por povos sul americanos existentes por aqui antes da descoberta de Colombo. Utilizando técnicas de construção e materiais locais, o norueguês Thor Heyerdahl e mais 5 pessoas cruzaram o Pacífico do Peru até a Polinésia em 101 dias no mar.

7. Endurance – Expedição imperial transantártica


O Endurance na sua época era considerado um dos navios mais resistentes já criados. Na construção foram utilizadas árvores inteiras de carvalho que eram selecionadas de acordo com sua curvatura, para naturalmente se encaixar na curvatura do barco. Uma verdadeira obra de arte.

O barco batalhou ferozmente contra o gelo no mar de Weddell, porém no dia 21 de novembro de 1915 o navio acabou afundando e deixando os seus 28 homens a própria sorte morando em placas de gelo sobre o mar. Somente quase 1 ano depois e com muita dificuldade, Shackleton e sua equipe conseguiram ser resgatados.

8. Queen Anne’s Revenge – Tesouro pirata


Esse foi o navio de um dos piratas mais famosos dos 7 mares e era temido por todos. Quando os piratas capturaram o navio, ele era um navio negreiro. Seu novo capitão, o  então desconhecido Barba Negra era o verdadeiro pirata do caribe e construiu seu nome tocando o terror naquela região.

O Queen Anne’s Revenge foi transformado pelos piratas em uma fragata de 31,4 metros armada com 40 canhões e uma tripulação de mais de 120 piratas. O Barba Negra navegou da costa oriental da Africa até o Caribe, atacando os britânicos, holandeses e portugueses pelo caminho.

E você, lembra de algum barco que precisa ser colocado nessa lista? Comente.

8 comentários

Compartilhe!
Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no Google+ Compartilhar no LinkedIn Enviar por email
Palavras:

Você vai gostar de ler:

Melhores barcos para morar

Como usar o sextante

Quanto custa morar em um barco

Como construir seu barco

8 comentários
  1. Rubens Figueiredo Micheloni Filho Responder
    27 de abril de 2017

    Olá colega, parabéns pelo site!! Conheci o site hj, você têm algum material que me ajude a encontrar livros sobre estas histórias? Eu já li Kon Tiki e o Shaklerton no Atlântico, e tbm, cem dias entre o céu e o mar do Amir K. Agora quero muito ler do Barba Negra! Alguma indicação? Abraços Gratidão

    1. Will Gittens Responder
      1 de junho de 2017

      Olá Rubens, em português não encontrei nada sobre o grande Barba Negra, só besteiras relacionadas a jogo de videogame. Um bom livro em inglês é o Blackbeard: The Real Pirate of the Caribbean, vai te dar um panorama não só sobre o Barba Negra, mas também sobre os piratas da região. Um que estou tentando encontrar mas é raro é o Aventuras no mar do Hélio Setti Jr. Se encontrar esse livro, pode ler também. Abraços!!

  2. 24 de maio de 2017

    Que tal esta barco?
    O que acham destas reportagens?
    https://www.youtube.com/watch?v=uXQGlABEN_U&list=PLB68DA222AB30BA77

    1. Will Gittens Responder
      1 de junho de 2017

      Onde tem a camera do Lawrance Wahba tem qualidade na aventura, não tem jeito. Não conhecia essa expedição, valeu por compartilhar!! Grande abraço.

  3. 24 de maio de 2017

    Acho que a lista está bem completa, só fallta o Joshua de Moitessier, o lendário velejador francês que abandonou a primeira Golden Globe (regata de volta ao mundo em solitário) quando liderava, e ao invés de seguir para a Europa, cruzou o Cabo da Boa Esperança e foi ao Tahiti. E a história de Evgueni Gvosdev, que construiu um barquinho de menos de 4 metros na sacada de seu apartamento na Rússia, colocou na água, e deu a volta ao mundo. Numa entrevista, ele disse: “barco grande, problemas grandes; barco pequeno, problemas pequenos. Eu viajo sem GPS, sem motor, sem rádio, sem mulher, sem sexo, mas… sem problemas.”

    1. Will Gittens Responder
      1 de junho de 2017

      Grande Gustavo, realmente a história do Evgeniv e do seu barquinho Sayid é memorável… acho que já escrevi umas 3 vezes sobre ele aqui, sou realmente fã dessa história da construção dentro do apartamento. Grande abraço e bons ventos!!

  4. Olavo Theodoro Responder
    29 de maio de 2017

    Eae Will, grande marujo ou posso dizer já, Comandante Will?
    Faltou falar do melhor de todos, o SEU barco, quando vamos conhece-lo??

    Bons ventos.

    1. Will Gittens Responder
      1 de junho de 2017

      Fala Olavo, estou louco para conhecer o meu barco também. Esses dias quase peguei um 19 pés mas parei e decidi que ainda não é a hora certa, preciso organizar mais coisas antes de ter mais esse gasto com marina. Escrevi um post sobre como anda a organização da próxima trip, estou na luta para virar capitão, comandante só daqui uns anos kkkk… Abraço e bons ventos!!

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*