Letônia e Rússia – trechos percorridos e dicas de transporte

Data: 30 Março, 2016

Categoria: Mochilão

Pois bem! A essa altura, com o visto chinês em mãos e ainda na capital da Polônia, nosso grande foco era chegar a Rússia, conhecer as cidades que nos interessavam e seguirmos para a Ásia na sonhada (e temida) Trans Siberiana.

Para isso, era preciso planejar minuciosamente o percurso, já que não tínhamos o menor interesse de passar pela Bielorússia e pagarmos a taxa que os brasileiros são obrigados a desembolsar para passar pelo país: algo em torno de 120 dólares por pessoa. Então, qualquer que fosse o meio de transporte escolhido, ele não poderia passar dentro desse território.

O fato era: se quiséssemos seguir de trem direto de Varsóvia para Saint Petersburg, obrigatoriamente passaríamos pela Bielorússia. Então, descartado. Nossa melhor opção era seguir para algum país do leste europeu (Lituânia, Estônia ou Letônia) e de lá, seguir em outro ônibus ou trem para a Rússia.

Pesquisamos as opções que tínhamos e escolhemos Riga, a capital da Letônia, que não tem opções de trem.. apenas ônibus! Escolhemos em um trajeto de ônibus Ecolines de cerca de 14 horas durante a noite (uufff), por 29 euros por pessoa, o que faria com que economizássemos uma noite em hostel! Mais uma vez o melhor preço era da empresa Ecolines e mais uma vez tínhamos a TV, internet, ponto de energia e serviço de bordo.

Chegamos em Riga por volta das 11h30 da manhã e decidimos passar somente um dia lá, para já seguirmos naquela mesma noite para Saint Petersburg. Reservamos um hostel bem baratinho do lado do terminal de ônibus apenas para tomarmos um banho, descansarmos um pouco e deixarmos os mochilões para fazer um tour pelo centro velho da cidade. Às 22h30, sairia nosso ônibus (também Ecolines) rumo à tão sonhada Rússia e a deliciosa cidade de São Petersburgo.

A viagem tinha previsão de 11 horas de duração e o valor era de 33 por pessoa (140 dinheiros locais, que eu nem sei dizer o nome da moeda! hahaha!). Além do pacote TV, internet, ponto de energia e serviço de bordo, esse ônibus tinha uma máquina de café, cappuccino e outras bebidas quentes gratuitas. Bem bacana!

Logo que entramos no ônibus, a comissária de bordo distribuiu o papel da imigração russa para todos os estrangeiros. Basicamente, você deve preencher , em duas vias, seus dados pessoais, motivo da viagem, período que ficará no país e nome e endereço do primeiro local que se hospedará.

Passando a fronteira para a Rússia

Por volta das 5h da manhã começaram as burocracias para atravessarmos a fronteira entre a Letônia e a Rússia. Primeiro, ficamos parados por cerca de 15 minutos enquanto os guardas da Letônia olhavam o compartimento de bagagem, embaixo do ônibus, cabine do motorista, etc. Depois, um guarda entrou e pegou o passaporte de todos os passageiros.

fronteira russia

Aguardamos mais 20 minutos e eles voltaram com nossos passaportes, intactos, sem carimbo algum.

Dali, seguimos alguns metros para a próxima parada, agora na base policial russa: mais revistas no ônibus, no bagageiro e mais uma vez entregamos os passaportes que, minutos depois, foram novamente devolvidos sem carimbos.

Mais alguns metros a frente e todos tivemos que descer para, finalmente, passar pela imigração de fato. Nevava muito, um frio de lascar, e lá fomos nós para uma guarita fazer a fila. No nosso ônibus havia muitos turistas da Itália, França e Espanha e todos precisam, obrigatoriamente, ter o visto para entrar na Rússia. Já nós, brasileiros, não precisamos do visto e isso gerou dúvida na policial que pegou meu passaporte para análise.

Depois de conversar com mais dois policiais (e eu cagando de medo, apesar de saber que não havia nada errado com meus documentos), ela voltou, carimbou meu passaporte, ficou com uma via do formulário da imigração e me devolveu um carimbado. O mesmo para o Will. Ufa!!

Dentro de território russo, depois de mais 4 horas de viagem chegamos a Saint Petersburg! Uma cidade muito bacana, cheia de lugares lindos para visitar e é possível fazer tudo a pé, basta um pouquinho de pique! (é claro que depende muito do frio que você pegar! nós pegamos a média de 4 graus positivos e, já acostumados com o frio europeu, foi bem tranquilo para caminharmos para diversos cantos da cidade).

Depois de muita leitura em blogs de mochileiros, sabíamos que, a partir de agora, os preços de viagens de trem ficariam muito mais amigáveis que dentro da Europa. Dito e feito! Após pesquisarmos as alternativas, decidimos ir de São Petersburgo para Moscou de trem, em uma viagem de 9 horas e meia de duração pelo valor de 16 dólares por pessoa na 3a classe. Pechincha!! 😀

Os trens na Rússia para viagens longas possuem a característica de serem divididos em 3 classes (ao invés de duas classes, como na maioria dos trens na Europa). No caso do trem que escolhemos, a primeira classe consistia em uma cabine com apenas um beliche, com certo conforto e boa privacidade, a 2a classe em cabines com 2 ou 3 beliches e a 3a classe em bancos tradicionais.

Como, a essa altura, já estamos mais do que casca grossas para todo tipo de viagem, escolhemos os bancos tradicionais em uma viagem noturna, saindo de São Petersburgo à 00:11 (sim. meia noite e onze… e o trem partiu exatamente nesse horário! hahaha)

O grande desafio, no caso dos trens russos, é comprar passagens! Dá uma olhada nesse vídeo que fizemos na estação de trem tentando comprar a passagem para Moscou. Precisamos recorrer à Central de Serviços, à taxa extra cobrada pela moça que falava um pouquinho de inglês. E sente o drama do painel que indica as plataformas..! Lista de chegada ou partida? Qual é o nosso trem? Quais as cidades?! Aaff!!

trem russia

Com a ajuda de uns bons goles de vodka russa (hahaha), conseguimos dormir mais ou menos bem no trem e chegamos a Moscou por volta das 9h40 da manhã. Esse vídeo mostra um pouco da nossa cara de acabados no fim da viagem. Nosso hostel era relativamente perto da estação de trem onde desembarcamos e também perto de alguns pontos turísticos, como a Praça Vermelha e o Kremlin, então fizemos grande parte dos passeios turísticos a pé.

Porém, andar no metrô de Moscou faz parte da aventura de visitar a capital russa! Primeiro, porque você terá que se virar naquela enorme rede de estações e linhas escritas em alfabeto cirílico, e segundo porque diversas estações de metrô são verdadeiras obras de arte!

metro moscow

O preço dos tickets de metrô também é mais baixo que a média nos países que visitamos na Europa (35 rublos, ou seja 0,45 euros!). Então, utilizamos o transporte público não só pra visitar alguns pontos turísticos, como para visitar as próprias estações de metrô e para carregarmos nossos mochilões para a estação de trem de onde partiríamos para a Trans Siberiana!

E estando, nesse minuto, há 38 horas dentro do trem rumo a Irkustk (e faltando ainda mais 56 horas para chegar), mais do que nunca tenho certeza que esse é um capítulo a parte na nossa aventura!

0 comentários

Compartilhe!
Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no Google+ Compartilhar no LinkedIn Enviar por email
Palavras:

Você vai gostar de ler:

Como fazer a Trans Siberiana

Rota de volta ao mundo: Começando a organizar

Como chegar a Machu Picchu

Manual completo para viajar de navio de carga

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*