Permita-se ter ‘Primeiras vezes’!

Data: 20 julho, 2016

Categoria: Aventuras

É incrível como, mesmo depois dos 30 anos vividos de forma bem bacana, existe uma lista enorme de coisas que eu ainda não fiz e que tenho a oportunidade de colocar em prática e sentir o friozinho na barriga da ‘primeira vez’.

Experimentar coisas novas demanda quebrar paradigmas, vencer medos, mudar de ideia, encarar tabus.

Seja para experimentar um prato diferente, fazer um esporte radical, mudar de profissão, fazer a primeira tatuagem, etc etc etc… Esse processo transforma a gente para sempre!

Por isso, descarte da sua vida a frase “nunca experimentarei isso!”. E a cada nova experiência, celebre!

Na volta ao mundo, eu pude construir uma respeitável lista de primeiras vezes. Momentos inesquecíveis que provocaram ensinamentos para a vida:

Primeira vez andando a cavalo

Pois é… sou da-cidade-grande e nunca tinha andado a cavalo! 🙂 Uma mistura de medo e falta de esforço para criar oportunidades me fez chegar aos 33 aninhos sem nunca ter experimentado a sensação. Aí, no meio do Parque Nacional Gorkhi-Terelj, na Mongólia, tive a oportunidade que não poderia ser em melhor contexto!

nomades3

Cavalgamos pelo deserto, de natureza exuberante, em cavalos que são criados soltos e optam por viver junto às famílias nômades. E, pra melhorar, os cavalos mongóis são baixinhos, o que facilitou o bom andamento da minha primeira experiência! Haha! 😀

Leia mais sobre nossa experiência na Mongólia, aqui.

Primeira vez pilotando uma moto

Por falta de oportunidade, falta de interesse e certa afeição pelo conforto do carro, nunca havia pilotado uma moto… nem mobilete, nem quadricíclo, patinete motorizado. 😀

Aí, vamos para a deliciosa ilha Koh Lanta (clique aqui), na Tailândia, e nosso bangalô nos dava direito a uma motinho para rodar pela ilha. O Will era o piloto oficial, mas nas ruas mais tranquilas e num ambiente mais controlado, eu assumia a direção e me divertia muito com o vento no rosto e o frio na barriga! Para ver cenas da minha alta habilidade na moto (hehehe), clique aqui!

lanta1

Primeiro céu extremamente estrelado

Na cidade de São Paulo as luzes não permitem que a gente veja o espetáculo que é o verdadeiro céu estrelado. Eram nas trips para praias e montanhas que eu podia contemplar um céu mais bonito, mas nada, absolutamente nada comparado ao que vi nessa trip!

Foram três noites estreladas inesquecíveis em 3 países distintos, mas foi também no deserto da Mongólia que, pela primeira vez, tive a impressionante visão de um céu sem poluições e sem qualquer interferência de luzes, 100% tomado de estrelas, constelações, via láctea, infinitas luzes!

Logo depois do jantar dentro da Ger da família que nos recebeu, quando saímos para ir para nossa Ger e ficamos no completo breu, olhei para o céu e comecei a chorar. Juro. Simples assim! Tamanho milagre era aquele bem ali diante dos meus olhos, pra eu contemplar a vontade! (uma pena não termos máquina fotográfica adequada para registrar aquela maravilha)

nomades4

Essa é do amanhecer no Parque Nacional, igualmente maravilhoso!

Primeira vez na neve

No mochilão pela Europa que fiz sozinha há 3 anos, durante o quentíssimo verão europeu, a única neve que vi foi a ponta branquinha dos alpes suíços em Genebra. E como eu nunca fui pra Bariloche, um dos principais destinos para os brasileiros que procuram neve, tinha essa pendência na lista e muita vontade de realizar.

Então, durante um citywalk por Praga, na República Tcheca, eis que ela começa a cair do céu!! Floquinhos leves, quadradinhos, flutuantes, brancos, que caem na roupa e ficam ali parados sem derreter!! Uma coisa linda mesmo e mais um fenômeno natural pra lista!! 🙂 (que, claro, deve encher a paciência de quem vê diariamente e precisa ir trabalhar, estudar e tal.. mas que é incrível, é!).

Primeiro inseto frito

É como diria o velho ditado: Tá na chuva, é pra se molhar! Se você for a Tailândia, ou a qualquer outro país de culinária estranha para seu paladar, vença todos os seus paradigmas e experimente as esquisitices gastronômicas!

Nesse quesito eu e o Wil estamos de parabéns! Encaramos todo tipo de comida de rua e pratos típicos low budget (hahaha!!). Quando chegamos a Bangkok, pesquisamos sobre a venda dos insetos fritos e encaramos o petisco! É estranho, mas tem textura de casquinha de camarão… então até que vai! Não deixe de provar!

Primeiros vulcão e gêiser

Eu nunca havia chegado perto de nada parecido com um vulcão e um gêiser! Porém, durante o tour pelo deserto do Atacama, passamos por diversos vulcões inativos e alguns deles repletos de gêiseres e fontes de água quente.

Na madrugada do 3o dia de tour, acordamos às 4h30 da manhã para ir aos gêiseres. Não só vi, como cheguei perto, coloquei a mão e depois atravessei ele como se fosse uma fogueira de Festa Junina. hahahaha! Ah! Atenção! Eu só atravessei o gêiser, pois antes de mim atravessou o guia do nosso tour!

uyuni9

Primeiro camping selvagem

Sempre gostei de acampar, mas todas as experiências que tive tinham estrutura de banheiro, energia elétrica e tal… como o Will é especialista em camping selvagem, eu tinha a vontade de experimentar essa adrenalina e acampar com ele em alguma montanha ou praia deserta.

Em Minas Gerais, numa incrível montanha, depois de uma trilha de cerca de 60 minutos, acampamos no meio do nada, debaixo de um céu estrelado e sem nenhuma estrutura de apoio além da nossa barraca e mochilas. Confesso que deu um medinho, mas a adrenalina de estar ali, naquela oportunidade tão incrível, permitiu que eu curtisse cada momento, os barulhos da noite na natureza, o vento, o nascer do sol.

campingselvagem

O próximo passo é camping selvagem na praia! 🙂

Eu também andei em cima de lagos congelados, assisti lutas de Muay Thai ao vivo, tomei chás que gostei (é… eu não gostava de chá mesmo, mas o frio e a falta de café me fizeram experimentar alguns muito bons), experimentei leite de camelo e frutas amargas, aprendi a conviver pacificamente com insetos e bichos que me davam muuuuita aflição, trabalhei na fazenda, vi o fundo do mar mais encantador e colorido que já tinha visto.

Um monte de primeiras vezes, que eu me permiti viver e que abriram as portas para que eu experimente outras coisas, perca medos, acumule histórias pra contar!

0 comentários

Compartilhe!
Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no Google+ Compartilhar no LinkedIn Enviar por email
Palavras:

Você vai gostar de ler:

Quanto custa morar em um barco

Itália e Croácia – Trechos de trem, ônibus e muitas dicas

Como morar em um trailer

Guloseimas para comer na fogueira

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*