A pior experiência da trip – trem de Beijing para Xi’an

Data: 15 Abril, 2016

Categoria: Mochilão

Aí que já estamos na estrada há um bom tempo. Mais de três meses percorrendo esse mundão em trens e ônibus, sempre buscando o preço mais baixo para fazer os trechos que já totalizam 20 mil kilômetros por terra. Estamos casca grossa sim, acostumados com longas viagens, paisagens diversas passando na janela e todo tipo de companheiros de vagões e busões.

Então, depois de uma ótima experiência no trecho de 26 horas entre Ulan Bator e Beijing (leia aqui), que fechou com chave de ouro a rota Trans Siberiana e Trans Mongoliana, nós cometemos um erro primário, coisa de mochileiro de 1a viagem.

Já havíamos lido muitos relatos de viajantes que passaram maus bocados em trens chineses, havíamos pesquisado arduamente os trens dentro da China e sabíamos muito bem das diferenças gritantes que encontraríamos:

Na Europa, os trens possuem 1a classe (cabines bacanas e/ou bancos de couro, comidinhas) e 2a classe (cabines simples ou bancos reclináveis enfileirados);

Na Rússia, possuem 1a classe (cabines com 1 beliche e banheiros), 2a classe (cabines com 2 beliches) e 3a classe (vagões com 60 beliches e/ou bancos reclináveis enfileirados);

Na Mongólia, possuem 1a classe (cabines com 2 beliches macias), 2a classe (cabines com 2 beliches duras) e, em alguns casos, a 3a classe (vagões com bancos normais enfileirados);

Mas na China, meus amigos, a coisa é bruta: 1a classe (cabines com 2 beliches macias – soft sleeper), 2a classe (vagão com diversas beliches duras de 3 andares – hard sleeper), 3a classe (vagões com bancos normais enfileirados – hard seat) e 4a classe (pessoas que vão em pé nos corredores da 3a classe e dormem no chão). Isso mesmo. Longos trechos com viajantes de pé, empilhados ou esparramados no chão.

trem-china3

 

Pois bem. Até aí, já é bem bizarro imaginar dividir o espaço de um vagão com um monte de gente de pé ou deitada no chão, durante longas 14 horas de viagem (que era o tempo de nossa viagem entre Beijing e Xi’an). Porém, a falta de civilidade e de higiene dos chineses faz dessa experiência ainda mais terrível: eles fumam dentro dos vagões, cospem no chão, falam muito alto e ouvem música mais alto ainda, viajam com enormes malas que ocupam todo o bagageiro, encostam na sua perna pra dormir e, se você bobear, sentam com você no seu banco.

Tá bom pra você ou quer que eu repita? Eles superlotam os vagões, fumam, cospem, gritam, ouvem música alto e encostam em você pra dormir. Durante 14 horas (ou bem mais, dependendo do trecho que você fará). Não, não dá.

E mesmo com informações prévias lidas em outros blogs a respeito dessa bizarrice, imaginamos que havia ali algum exagero nos relatos e que, como a viagem era relativamente curta (14 horas… hahaha! nós mudamos muito o nosso parâmetro de tempo nessa trip!), poderíamos aguentar.

Percebemos o enorme erro cometido assim que entramos no vagão quente, lotado de gente falando alto, sem nenhum estrangeiro além de nós dois, pessoas sentadas em nossos bancos, cheiro de cigarro, bagageiro lotado e sem espaço pros nossos mochilões. Era a visão do inferno… deu vontade de chorar!

Estava incrédula. Gargalhava de nervoso com aquela cena grotesca.

Pra melhorar, nossas poltronas eram separadas!! Mas um dos infelizes fumantes fedidos e espaçosos que dividiam a fileira de poltronas conosco percebeu nosso desconforto e trocou de lugar com o Will, para que ele se sentasse ao meu lado.

E ali começaram as 14 horas mais longas de nossa viagem… e de nossas vidas!

Banco duro, que não reclina nem um centímetro, fumaça de cigarro pairando no ar, gente empilhada nos corredores. A cada movimento que fazíamos, todos olhavam para nós, afinal éramos ali o ponto fora da curva, ocidentais e limpos.

Tentamos dormir um pouco, em vão, e ficamos lá, resilientes, esperando as horas passarem. Com cerca de 8 horas de viagem, o trem parou em Luoyang e grande parte dos passageiros desceu. Pela graça divina, conseguimos esticar as pernas e descansar um pouco por algumas horas, já anestesiados com o fedor de cigarro e o nojo de tanto cuspe no chão.

O choque era tamanho que não conseguimos nem registrar fotos da trip horrorosa que fizemos! Mas a internet está cheia de imagens pra você ter uma ideia do que estamos falando e nós usamos somente duas nesse post!

trem china

Chegar a Xi’an foi a alegria suprema! Não nos importava se a cidade seria bacana, se encontraríamos o hostel com facilidade e se o hostel seria um pulgueiro… só queríamos sair daquele pequeno pesadelo o quanto antes!

A conclusão que fica, é: Nunca, em hipótese alguma, escolha a 3a classe de trens dentro da China. Mesmo para trechos que você considere curtos. Gaste um pouco a mais e evite a dor de cabeça de viajar sem nenhum conforto e conviver por horas com pessoas aglomeradas e sem a menor educação.

Depois de um bom banho, 3 garrafas de cerveja chinesa e 13 horas de sono, recuperamos boa parte de nossas energias. Estávamos prontos para visitar o lugar que estava em meus sonhos desde a adolescência e que nos trouxe até aqui: o maravilhoso Exército de Terracota! Que vai ser tema de um post em breve! 😉

0 comentários

Compartilhe!
Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no Google+ Compartilhar no LinkedIn Enviar por email
Palavras:

Você vai gostar de ler:

Manual completo para viajar de navio de carga

Rota de volta ao mundo: Começando a organizar

Como chegar a Machu Picchu

Como fazer a Trans Siberiana

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*