Rota de volta ao mundo: Começando a organizar

Data: 10 novembro, 2016

Categoria: Barcos

Uma volta ao mundo de veleiro é algo grande, possível de fazer, mas é inegável que se trata de um grande projeto. Nós planejamos durante 1 ano a volta ao mundo por terra e muita coisa inesperada aconteceu, aprendi muito para aplicar nesse novo roteiro.

Antes de tudo defina as restrições que você tem
No meu caso, já coloquei na minha cabeça que farei em um veleiro de até 19 pés, muito possivelmente um micro-racer que vou adaptar para essa aventura. Leve em conta que farei sozinho grande parte das travessias sozinho, pois a Fê tem medo do mar aberto.

Sendo assim, minha rota não pode ter grandes intervalos de tempo no mar aberto pela limitação de espaço para recursos como água e alimentação. Calculo pernas máximas de 60 dias sem sofrer muito. Outro fator que é fundamental para voltas ao mundo em barcos pequenos são as correntes superficiais.

Primeiro de tudo é olhar as correntes, como fazer meu pequeno veleiro ser empurrado dia e noite para o destino que eu quero.

rotas-de-volta-ao-mundo-8
Baseado no lugares que quero conhecer e tentando seguir sempre a corrente, o primeiro caminho que imagino é:

– Descer a corrente brasileira até ela convergir sentido Africa.
– Seguir pela influência das correntes polares até chegar na África do Sul.
– Subir costeando o lado ocidental da África até chegar no deserto de Dakar.
– Cruzar novamente o Atlântico seguindo a corrente Equatorial até o mar do Caribe.
– Subir os EUA até Nova York e atravessar o Atlântico norte até Londres.
– Agora é descer para o Mediterrâneo, passando antes por França, Espanha e Portugal.
– Mar mediterrâneo tem uma infinidade de lugares espetaculares para conhecer como Grécia, Egito, Israel, Turquia, Croácia e uma lista que daria um post.

rotas-de-volta-ao-mundo-7Agora é que mora o problema:
O melhor caminho seria seguir pelo canal de Suez que conecta o mar Mediterrâneo com o mar Vermelho, só que o mar Vermelho é perigoso, altamente militarizado e é considerado o mar com mais ataques piratas do mundo.

rotas-de-volta-ao-mundo-3
Realmente eu não sou preocupado com as condições terríveis que a natureza pode nos colocar, é algo que só depende do seu físico e mental, porém, quando envolve pessoas, aí já fico com um pé atrás.

O caminho que eu gostaria de fazer é seguir pelo mar Vermelho até o mar Arábico, contornar a Índia até o mar de Andamão. Só aqui eu ficaria mais de 1 ano, amo a Tailândia.

Toda essa parte da Tailândia, Malásia, Singapura, Indonésia e Austrália tem uma corrente própria que deve ser estudada mais detalhadamente via cartas náuticas, aliás, esse é o próximo passo para fazer com todo o roteiro.

Ilhas do Pacífico
Tem ilhas de todo o tipo no Pacífico, até umas mortais que existem canibais que te matam se você ancorar lá. Estou pensando em incluir algumas da polinésia Francesa e sem sombra de dúvidas: a Ilha de Páscoa.
rotas-de-volta-ao-mundo-8
Aí é descer o Chile até o Cabo Horn, contornar o mítico cabo conhecido como pior mar do mundo e subir até Florianópolis.

Que jornada!! Já consigo me imaginar fazendo essa volta ao mundo.

Lembrando que vamos falar muito sobre esse planejamento ainda, possivelmente nos próximos anos, pois dessa vez a aventura é por mar, em um veleiro. Pretendo ficar pelo menos 5 anos no mar longe de casa, é muito planejamento, estudo, cartas náuticas, vistos, etc. Assim como na primeira volta ao mundo, você poderá acompanhar passo a passo nosso planejamento e quem sabe colocar seus sonhos em prática também.

O que achou dessa rota que estou planejando?
Um abraço e bons ventos!!

11 comentários

Compartilhe!
Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no Google+ Compartilhar no LinkedIn Enviar por email
Palavras:

Você vai gostar de ler:

Quanto custa morar em um barco

Como construir seu barco

Como usar o sextante

Melhores barcos para morar

11 comentários
  1. Olavo Theodoro Responder
    12 de novembro de 2016

    Olá Will, Trajeto bem costurado. Você não vai fazer a volta ao mundo à deriva né? Como vc pretende usar um veleiro, creio que (essa é uma opinião muito pessoal) você poderia consultar o mapa de ventos no site windytv.com, Como as correntes marítimas e os ventos seguem juntos use o melhor dos dois. Como o seu principal “motor” será o vento, mesmo com corrente contrária, vc seguirá o rumo. Considere as correntes mais em situação de deriva mesmo, sem vento ou com o mastro partido. e se me permite um pitaco…. Placas solares e um bom motor elétrico se possível, porque a gasolina acaba sempre. Dê uma olhadina no site da Nautica.com.br o forum é muito bom (como se não conhecesse né marujo?)
    Abraços,
    Bons ventos

    1. Will Gittens Responder
      14 de novembro de 2016

      Olá Olavo, realmente não espero ficar à deriva, mas em um barco pequeno fico mais à merce das forças da natureza. Prefiro uma rota que naturalmente me empurre até os destinos que quero conhecer. Ainda estou no primeiro passo do projeto, planejando uma rota. Eu definindo essa parte, vou cair de cabeça nas cartas náuticas e aprofundar mais os detalhes como os ventos. A ideia mesmo é ir com um motorzinho elétrico mais para manobras dentro de marinas, etc. Sempre acesso o fórum da Nautica.com.br, mas nunca comentei nem nada, vou me inscrever hoje lá. Valeu pelo comentário e volte sempre para comentar. Um abração e bons ventos.

      1. Olavo Theodoro Responder
        14 de novembro de 2016

        🙂 bons ventos.

  2. Olavo Theodoro Responder
    18 de novembro de 2016

    Olá Will, voltei hehehe, já que vc procura um veleiro pequeno, dê uma olhadinha vesse vídeo e me diga se não dá uma baita vontade de zarpar com essa organização. Acho que o crédito é da almiranta….: https://www.youtube.com/watch?v=WO22QeZTgQk
    Bons ventos

    1. Will Gittens Responder
      20 de novembro de 2016

      Sensacional!! Curti muito esse vídeo, realmente eu com um desses vivo muito bem. Muito maior que as barracas que fico acampado por aí. Abração e tenha uma ótima semana!!

  3. Gabriel De Capitani Responder
    8 de fevereiro de 2017

    Olá Will!
    Seu post me apareceu em um momento ímpar!
    Possuo um Multichine 28 de construção amadora e nesse ano tomei a difícil decisão de dar inicio ao projeto de volta ao mundo, estou assim como você iniciando os planejamentos! Empolgadíssimo, por sinal! Ainda é necessário muita preparação pessoal e física do barco, mas vamos que vamos! Penso em 3 anos no mar, mas conforme for ocorrendo o planejamento pode sofrer alterações..
    No mais não pude deixar de escrever, irei acompanhar a sua empreitada e espero que possamos nos contatar durante esse processo para possíveis trocas de informações, etc..
    Grande abraço e vamo que vamo!

    1. Will Gittens Responder
      8 de fevereiro de 2017

      Fala Gabriel, obrigado por acessar o blog!! Planejar a aventura é um dos melhores momentos da viagem e começa bem antes, aproveita que esse momento é único. Gosto muito do Multichine 28, acho um veleiro lindo, com certeza um barco confortável para essa jornada. Sinta-se sempre à vontade para perguntar ou compartilhar aqui no blog! Um grande abraço e qualquer dúvida pode contar sempre conosco. Um abração e bons ventos!!

  4. Fábio Responder
    9 de fevereiro de 2017

    Will, também já estudo minha volta ao mundo em um veleiro e, tenho procurado saber sobre a travessia pelo Estreito de Magalhães que “acho” a mas fácil e não tenho tido muito sucesso. fica a dica, se atravessaram com as caravelas sem motor e que quase não orçavam, me parece uma boa passagem para o pacífico.

    1. Will Gittens Responder
      6 de março de 2017

      Olá Fábio, realmente é um bom caminho para o Pacífico, já li relatos que nem sempre é tranquilo passar por ali. Você me deu uma boa ideia de um artigo, falando sobre a importancia do Estreito de Magalhães para a navegação. Um abraço e volte para trocarmos informação sobre nossas rotas de volta ao mundo. Bons ventos!!

  5. João Responder
    21 de maio de 2017

    Com lincença entrar na conversa de vcs, mas desde ja muito obrigado, eu sonho em atravessar o mundo em um veleiro ou catamaran estou agora na Australia e comecei a planejar de verdade ter noção do contexto. Sei que posso levar Mais uns anos nessa fase por sinal muito boaa, mas estou curtindo demais pensar que esta cada dia mais perto. Seria uma viajem de uns três anos Tbm podendo se estender. Aproveitando as correntes e os ventos, além de um motor elétrico movido a solar né. Esse problema da gasolina é meio complicado. Abraço Bons ventos!!!

    1. Will Gittens Responder
      1 de junho de 2017

      Olá João, é bem esse o caminho mesmo. Você tem uma vantagem enorme estando aí na Australia. Tenta encontrar algum centro autorizado da RYA ( Royal Yacht Association ), são os melhores e mais valorizados cursos de veleiros do mundo, tentei fazer na Holanda, mas estava muito caro para minha situação de mochileiro. Até Outubro desse ano estou 100% focado em cursos e certificações náuticas, recomendo que dedique um tempo a essa parte. Grande abraço e continue com os planos!!

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*