Tatuagens sagradas na Tailândia

Data: 25 julho, 2016

Categoria: Mochilão

Quem me conhece bem, sabe que sou apaixonada por tatuagens. Sou fascinada pela arte e pela impressionante capacidade dos artistas em criar desenhos incríveis usando agulhas em uma tela meio molenga e que sangra.  🙂

Tenho várias já feitas e outras tantas em projeto, adoro ler a respeito, sou fã dos reality shows sobre o assunto (descobri há pouco tempo que são vááários!) e acompanho os amigos no estúdio do meu tatuador com o maior prazer.

tatuagem

sofrendo em prol dos meus lírios! 🙂

E pra mim, tatuagem é coisa muito séria!

Afinal, entregamos nas mãos habilidosas do tatuador a responsabilidade de fazer um desenho excelente e seguir todas as exigências de higiene. Caso contrário, você paga caro pra sentir uma dor miserável, ficar com um desenho mal feito marcado na pele pra sempre e ainda pode ganhar uma infecção ou doença mais grave.

E a brincadeira fica ainda mais séria, porque de nada adianta o profissional ser super talentoso e seguir todo o protocolo se você escolher mal o desenho a ponto de enjoar ou se arrepender dele no futuro.

Ou seja, tatuagem é um pacto de confiança que você estabelece com você mesmo e com o artista, pra escolher o(s) desenho(s) certo(s) e o tatuador certo. E foi por acreditar nisso que eu decidi passar a oportunidade de fazer uma tatuagem de bambu na Tailândia!

Eu já havia pesquisado bastante a respeito da tatuagem na cultura tailandesa, mas chegando a Bangkok percebi que os desenhos na pele são muito mais presentes no cotidiano do que eu imaginava. Muitas pessoas tatuadas, com diversos desenhos expostos e incontáveis estúdios de tatuagem espalhados pela capital e pelas cidades praianas.

A maioria desses estúdios trabalha com a técnica convencional de máquina e com a técnica ancestral tailandesa de uso do bambu. E são as tatuagens de bambu que atraem milhares de turistas a marcarem a pele em suas inesquecíveis aventuras pela Tailândia.

Eu não tinha nenhum desenho em mente e não estava nos meus planos ir até um estúdio e escolher um desenho aleatoriamente apenas para ter uma tatuagem tailandesa feita com bambu, mas confesso que cheguei a visitar alguns lugares pra ver se me inspirava. 🙂

 

O que eu queria mesmo mesmo mesmo era fazer uma tatuagem sagrada, a chamada Sak Yant Tattoo, na qual o monge budista escolhe, de acordo com o que vê em sua energia (ou aura, ou alma, ou o que você quiser acreditar), o desenho e o local do corpo onde será feito o desenho. A receita exata da tinta é secreta, mas há quem diga que possui veneno de cobra, óleo de palmeira, entre outros ingredientes.

Esse desenho marcado na pele tem o poder, segundo a crença budista, de proteger a pessoa de todo o mal que possa cruzar seu caminho. E essa proteção deve ser renovada a cada ano e, assim, lentamente os tailandeses mais devotos vão ficando com todo o corpo coberto pelos desenhos sagrados.

sakyant1

Fonte: sak-yant.com

E um detalhe interessante: você não paga pela tatuagem feita pelo monge, mas é solicitado que você faça uma doação de flores, incensos, cigarros, ao templo.

Uma tradição interessante como essa atrai quem curte tatuagens, independente da crença ou religião… seria uma experiência e tanto, não?!

Então, quando eu estava prestes a chegar a Bangkok, comecei a pesquisar freneticamente como eu poderia chegar ao templo pra tentar fazer uma Sak Yant tattoo. E foi aí que eu encontrei o artigo de um dos blogeiros mais feras e experientes no quesito viagens pelo mundo, o Expert Vagabond.

Ele é muito casca grossa e fez a tatuagem, mas descreveu os detalhes sórdidos que me fizeram desistir. Veja só o cenário: cerca de 50 pessoas são tatuadas diariamente e todas elas com a mesma agulha e o mesmo balde de tinta… A única coisa usada pra desinfetar um pouquinho o ambiente é o álcool. Chances enormes de pegar uma bela DST, hepatite, infecção, etc etc!

sakyant2

Fonte: expertvagabond.com

Não tive coragem. Arreguei bonito! (Leia o emocionante relato dele na íntegra, aqui.) Prefiro não incluir essa experiência super interessante no currículo e ter mais tempo e saúde pra viajar o mundo e voltar a Tailândia ainda muitas vezes. 🙂

E recomendo que você também tenha juízo (hahaha) e, se quiser experimentar a técnica, o faça em um estúdio grande e indicado por algum local, de preferência em Bangkok depois de já ter curtido as praias pra não estragar o desenho no mar e no sol.

Por enquanto, a Tailândia será representada na minha pele por um desenho feito pelo meu tatuador (projeto em construção! oba!! )… Quem sabe na próxima visita ao país eu encaro os bambus e conto pra vocês como foi! 😉

0 comentários

Compartilhe!
Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no Google+ Compartilhar no LinkedIn Enviar por email
Palavras:

Você vai gostar de ler:

Manual completo para viajar de navio de carga

Como chegar a Machu Picchu

Rota de volta ao mundo: Começando a organizar

Como fazer a Trans Siberiana

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*